Quero morar na propaganda do PT

Ótimo vídeo…

Quero morar na propaganda do PT
Que aqui no meu pedaço o osso é duro de roer

Lá toda criança tá sorrindo e na escola
Todo menino é gordinho e bochechudo
No meu pedaço eles tão cheirando cola
Ou tão sem dente, tão doente e barrigudo

No mundo deles todo mundo tá bacana
Pega avião e compra até roupa de grife
No meu cafofo tá difícil arrumar grana
A vida aqui tá cara, tô comendo meio bife

Quero morar na propaganda do PT
Que aqui no meu pedaço o osso é duro de roer

Lá tá tudo certo, diz que tem pra todo mundo
Só alegria, não tem roubo nem bandido
Só que eu não desfruto nada disso aqui no fundo
Me chamam de babaca e ainda sou mal agradecido

Quero morar na propaganda do PT
Que aqui no meu pedaço o osso é duro de roer

Corrupção legal

Analise a foto (as faixas, em especial; clique para ampliar):

 

mensalãoooooooooooooooooo[1]

Leia a notícia:

BNDES patrocina evento do MST em Brasília com R$ 350 mil

Pra quem não sabe, o evento da foto é o mesmo da notícia.

E aí? Achou algo estranho? Vejamos:

1. O PT (através da Caixa e do BNDES) dá R$ 550 mil para o MST.

2. O MST usa esse dinheiro para ir à Praça dos Três Poderes protestar contra o julgamento do mensalão.

Agora deu pra perceber o que está errado?

Pra quem não entendeu ainda, o resumo é: o PT dá dinheiro pro MST defender os interesses do PT. Ou seja: isso é roubo! É corrupção! E pior: uma “corrupção legal”, dentro da lei!

Isso é usar dinheiro público em benefício próprio! O dinheiro saiu do PT para benefício do PT. A única diferença de roubar diretamente é que nesse caso houve um intermediário: o MST.

É por essas e outras que as empresas públicas deveriam ser proibidas de patrocinar quem quer que seja.

“Adote um bandido”

Todos já viram a opinião da Rachel Sheherazade sobre o caso do rapaz que amanheceu preso a um poste com uma tranca de bicicleta no pescoço, né? Pra quem não viu, o vídeo é esse aqui:

Tenho visto alguma confusão por aí (em alguns casos proposital, em alguns casos não) a respeito da última frase do vídeo: “adote um bandido”. É que diante da descoberta que os tais justiceiros também eram bandidos, tenho visto alguns pedirem para a Sheherazade adotá-los. Meu objetivo aqui é mostrar que isso não faz o menor sentido. E só. Não estou aqui pra defender nem a Sheherazade, nem o bandido, nem muito menos os bandidos-justiceiros. Só quero explicar o que muita gente parece não entender (ou não querer entender): que não faz sentido devolver o “adote um bandido” para a Sheherazade.

Pra começar: “adote um bandido”… O que isso significa?

Bom… Essa frase se refere a essa mania irritante que a esquerda tem de não querer punir bandidos, de achar que eles são “vítimas do sistema”, que fazem o que fazem por “não ter opção”, etc., como se todo pobre fosse bandido, o que está longe, muuuuito longe de ser verdade. Se a grande maioria dos pobres optasse pela bandidagem, eu até avaliaria a tese, mas a mera observação da realidade já trata de demolir esses “argumentos” (que nada têm de argumentos, mas de ideologia), então pra que me dar o trabalho?

Outros papos que rapidamente aparecem são os de que “o sistema penitenciário é uma fábrica de bandidos” (como se a realidade não fosse o inverso – eles não entram bonzinhos e saem bandidos, eles já entram bandidos), ou que “o sistema penitenciário não recupera os presos”, como se esse fosse o objetivo das penitenciárias. Mas não é! O próprio nome já dá a dica: “penitenciária” vem de “penitência”, ou seja: pena, castigo. É desejável que o sistema penitenciário recupere os presos? Certamente! Mas é esse não o objetivo principal! O objetivo é manter os cidadãos pacíficos a salvo dos bandidos.

E é justamente aí que entra o “adote um bandido”: se a esquerda defende a tese estapafúrdia de que o bandido tem que ser “recuperado” ao invés de ser preso (olhem a falsa dicotomia: por que “um ou outro”, e não “um e outro”?), então tem a obrigação de prover essa recuperação. Como o estado obviamente não tem essa capacidade (nem ao menos vontade), então que cada esquerdista cumpra seu papel e adote um bandido para recuperá-lo.

E é aí que a tentativa de devolver o “adote um bandido” para a Sheherazade falha miseravelmente: ela não defende essa ideia de recuperação de bandidos, mas apenas que sejam presos, e portanto ela não tem obrigação nenhuma de adotar bandidos.

O “adote um bandido” é um chamado à coerência: quem quer que bandidos sejam recuperados ao invés de presos que aja de acordo! Quem não quer – como é o caso da Sheherazade – não tem nada com isso.

Cotas raciais

Cotas

O Governo é a favor das cotas raciais, certo?

Ou será que não?

Que tal analisarmos a cúpula do Governo para ver se isso é verdade? Que tal vermos se eles usam na prática o que pregam?

Visite a página do Governo com a lista de ministros escolhidos pelo governo, e verifique por si mesmo a proporção entre as raças: http://www2.planalto.gov.br/presidencia/ministros

Coloco abaixo uma cópia do conteúdo que estava lá hoje (12/02/2013) pela manhã:

Casa Civil Gleisi Helena Hoffmann
Ministério da Justiça José Eduardo Cardozo
Ministério da Defesa Celso Amorim
Ministério das Relações Exteriores Luiz Alberto Figueiredo Machado
Ministério da Fazenda Guido Mantega
Ministério dos Transportes César Borges
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Antônio Andrade
Ministério da Educação Aloizio Mercadante Oliva
Ministério da Cultura Marta Suplicy
Ministério do Trabalho e Emprego Manoel Dias
Ministério da Previdência Social Garibaldi Alves
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Tereza Campello
Ministério da Saúde Alexandre Padilha
Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Fernando Pimentel
Ministério de Minas e Energia Edison Lobão
Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior
Ministério das Comunicações Paulo Bernardo Silva
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Marco Antonio Raupp
Ministério do Meio Ambiente Izabella Teixeira
Ministério do Esporte Aldo Rebelo
Ministério do Turismo Gastão Dias Vieira
Ministério da Integração Nacional Francisco José Coelho Teixeira
Ministério do Desenvolvimento Agrário Pepe Vargas
Ministério das Cidades Aguinaldo Ribeiro
Ministério da Pesca e Aquicultura Marcelo Crivella
Secretaria-Geral da Presidência da República Gilberto Carvalho
Gabinete de Segurança Institucional José Elito Carvalho Siqueira
Advocacia-Geral da União Luís Inácio Lucena Adams
Controladoria-Geral da União Jorge Hage Sobrinho
Secretaria de Relações Institucionais Ideli Salvatti
Banco Central do Brasil Alexandre Tombini
Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República Helena Chagas
Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Marcelo Côrtes Neri
Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Luiza Helena de Bairros
Secretaria de Políticas para as Mulheres Eleonora Menicucci de Oliveira
Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Maria do Rosário Nunes
Secretaria de Portos da Presidência da República Antonio Henrique Pinheiro Silveira
Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República Wellington Moreira Franco
Secretaria da Micro e Pequena Empresa Guilherme Afif Domingos