Sabedoria de Salomão, capítulo 2

Bíblia

Me impressionou o segundo capítulo do livro da Sabedoria de Salomão, por dois motivos:

Os versículos 1 a 11 se descrevem a “mentalidade pagã”, cuja descrição, feita há mais de dois milênios, não difere muito da mentalidade dos dias de hoje (talvez não por acaso):

1Dizem entre si, em seus falsos raciocínios:
“Breve e triste é nossa vida,
o remédio não está no fim do homem,
não se conhece quem tenha voltado do Hades.
2Nós nascemos do acaso
e logo passaremos como quem não existiu;
fumo é o sopro de nosso nariz,
e o pensamento, centelha do coração que bate.
3Extinta ela, o corpo se tornará cinza
e o espírito se dispersará como o ar inconsistente.
4Com o tempo, nosso nome cairá no esquecimento
e ninguém se lembrará de nossas obras;
nossa vida passará como uma nuvem — sem traços — ,
se dissipará como a neblina
expulsa pelos raios do sol
e, por seu calor, abatida.
5Nossa vida é a passagem de uma sombra,
e nosso fim, irreversível;
o selo lhe é aposto, não há retorno.
6Vinde, pois, desfrutar dos bens presentes
e gozar das criaturas com ânsia juvenil.
7Inebriemo-nos com o melhor vinho e com perfumes,
não deixemos passar a flor da primavera,
8coroemo-nos com botões de rosas, antes que feneçam;
9nenhum prado ficará sem provar da nossa orgia,
deixemos em toda parte sinais de alegria
pois esta é a nossa parte e nossa porção!
10Oprimamos o justo pobre,
não poupemos a viúva
nem respeitemos as velhas cãs do ancião.
11Que nossa força seja a lei da justiça,
pois o fraco, com certeza, é inútil.

Já os versículos de 12 a 20 fazem uma previsão incrivelmente paralela ao discurso dos fariseus contra Jesus:

12Cerquemos o justo, porque nos incomoda
e se opõe às nossas ações,
nos censura as faltas contra a Lei,
nos acusa de faltas contra a nossa educação.
13Declara ter o conhecimento de Deus
e se diz filho do Senhor;
14ele se tornou acusador de nossos pensamentos,
basta vê-lo para nos importunarmos;
15sua vida se distingue da dos demais
e seus caminhos são todos diferentes.
16Ele nos tem em conta de bastardos;
de nossas vias se afasta,
como se contaminassem.
Proclama feliz o destino dos justos
e se gloria de ter a Deus por pai.
17Vejamos se suas palavras são verdadeiras,
experimentemos o que será do seu fim.
18Pois se o justo é filho de Deus, ele o assistirá
e o libertará das mãos de seus adversários.
19Experimentemo-lo pelo ultraje e pela tortura
a fim de conhecer sua serenidade
e pôr à prova sua resignação.
20Condenemo-lo a uma morte vergonhosa,
pois diz que há quem o visite.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s