Em que posso te atrapalhar?

Estado

Pois é… Já tem alguns meses que eu compartilhei essa foto no Facebook, e hoje me aconteceu uma coisa que me lembrou dessa imagem:

Eu estou com uma cadela operada, e o veterinário recomendou o uso de Rifamicina, um antibiótico em spray, para aplicar sobre os pontos. Comprei na própria pet shop, e utilizei por uma semana. Como é difícil manter cachorro, mesmo ficando preso quase o dia todo, alguns pontos se abriram, e foi necessário refazê-los. Com isso, a recuperação demorou, e a Rifamicina está acabando. É aí que aparece o Estado pra atrapalhar a minha vida: eu saio de casa agora à noite para comprar mais um frasco do antibiótico, mas ao chegar à farmácia a atendente me diz que só pode vender com receita médica.

Alguns vão dizer: “o Estado só está tentando proteger o cidadão”. Mas me proteger de quê, exatamente? De mim mesmo? O Estado está dizendo que eu, você e todos os cidadãos brasileiros são burros demais pra comprar um antibiótico por conta própria? Que a proibição é mais benéfica a nós que a minha liberdade de comprar o remédio? Sim, há casos em que a droga é muito forte, e o risco de vida é alto para quem toma, mas estamos falando de um antibiótico bactericida! Basta ler a bula pra ver que o benefício é muito maior que qualquer reação ou efeito colateral!

O que fazer? Tentei convencer a atendente, mas ela disse que não podia, que a Anvisa fiscaliza pesado as farmácias maiores. Me recomendou ir a uma farmácia menor, de preferência na periferia, que lá eles vendem porque a fiscalização é menor. O Estado me trata como se eu fosse um sujeito perigoso, que tem que procurar a clandestinidade pra curar uma cadela. Dá pra perceber o quanto isso é ridículo e inócuo? Afinal, eu vou comprar de qualquer jeito amanhã, no veterinário (que não exige receita médica) ou até em alguma farmácia na periferia (e com isso o Estado está dizendo indiretamente que acha que a vida deles vale menos que a dos demais cidadãos).

E isso tudo em nome das “boas intenções”.

Resultado: minha cachorra vai ficar sem o remédio hoje, e só amanhã à tarde terei tempo de ir ao veterinário comprar mais.

É esse tipo de controle sobre o cidadão que não pode existir. Orientar, tudo bem, mas tratar quem precisa como se fosse um criminoso é ridículo. É nessas horas que eu quase (quase!) concordo com os que pedem a liberação de todas as drogas. Fazer esse controle com medicamentos mais fortes, que oferecem risco real à saúde a quem compra, tudo bem. Isso é algo que até o mais radical dos libertários pode entender, ainda que não concorde. Mas pra um spray para matar bactérias? Fala sério!

E ao mesmo tempo que o Estado todo-poderoso se intromete cada vez mais na sua vida particular, ele não resolve os problemas básicos da população, como os mais de 50 mil assassinatos por ano, pra citar só um exemplo.

Mas fazer o quê? O jeito é fazer piada…

O governo é prejudicial à saúde

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s