Médicos cubanos

Muito se tem falado esses dias a favor e contra a chegada dos médicos cubanos. Eu sou contra a forma com que isso está sendo feito, por alguns motivos bastante óbvios, entre eles:

  • Os cubanos não terão liberdade: serão escravos de Cuba e da profissão. Não terão o direito de qualquer pessoa livre, de mudar de carreira para receber mais em outra mais promissora, ou de trazer sua família para morar aqui. Escravos, portanto.
  • O pagamento direto a Cuba deixa claro que essa “importação” de médicos é só uma fachada, uma maneira de fazer com que Cuba não imploda por falta de dinheiro, fim inevitável de qualquer país comunismo, como já demonstrado por Ludwig von Mises.
  • A isenção de fazer o Revalida é claramente outra fachada: os números históricos mostram a reprovação de médicos cubanos é de mais de 90%. Alguns falam que demoraria demais, mas se a situação está assim há tanto tempo e ninguém fez nada até agora, por que essa sangria desatada só agora?
  • A alta taxa de reprovação no Revalida faz crer que os médicos cubanos não estão à altura dos médicos brasileiros, e portanto são justamente os mais pobres que sofrerão na mão de médicos que demonstram não ter capacidade para exercer a profissão.

Mas os motivos são tão óbvios que nem é por isso que escrevo. O que está me chamando a atenção é que para defender a “importação” de médicos estão aparecendo as mais escabrosas contradições:

  • Justificativas estapafúrdias, como a de que Veja em 1999 apoiou a vinda de médicos cubanos, no governo FHC. Mas afinal, a opinião de Veja vale alguma coisa ou não? É pra concordar ou discordar? Da Veja de hoje ou da de 1999? Afinal, o que FHC fez foi bom ou ruim? Se foi bom, por que não bateram palmas na época? Se foi ruim, por que defender a mesma bandeira hoje?
  • Esse é realmente o Partido dos Trabalhadores? Dizem que dão valor às leis trabalhistas e ao povo cubano, mas quando um cubano vem para cá não tem direito às leis trabalhistas? Diante essa situação, só vejo duas opções: ou eles acham que as leis trabalhistas não prestam, ou que o povo cubano é uma classe inferior.
  • Afinal, eles condenam ou não a “mais-valia” (argh!)? Afinal, não ficam indignados com o lucro de 90% que o empresário Fidel está recebendo! 90%! Me mostrem um único capitalista que consiga receber mais de 20% de lucro em seus serviços sem ser chamado de explorador!
  • São defensores da igualdade ou não? Se são, deveriam em primeiro lugar se preocupar com o valor pago aos médicos. Rumores dizem que o valor será em torno de R$ 1000. Por que não pagar o mesmo que qualquer médico brasileiro recebe? O fato é que teremos dois médicos trabalhando lado a lado, um recebendo muito mais que o outro. Repito a pergunta: por acaso o povo cubano é uma classe inferior para ter que se sujeitar a isso?
  • E o melhor: gente que nunca precisou ser atendida pelo SUS reclamando que quem nunca precisou ser atendido pelo SUS não sabe de nada. (então cala a boca, oras!)
  • Alguns dizem que é um avanço para os médicos, pois é melhor ganhar R$ 1000 aqui que US$ 30 em Cuba. Certamente. Mas então você está concordando que a vida em Cuba é miserável? Então por que defender Cuba com unhas e dentes?
  • Esse pessoal realmente se preocupa com os pobres? Claro que não! Afinal, sem o Revalida, quem garante que o cara é competente? Mais ainda: quem garante que ele é realmente médico? Ah, mas quem vai sofrer com isso são os pobres, mesmo, então pra eles não faz diferença. Pra eles é fácil, pois quando tiverem algum problema de saúde é só dar um pulinho ali no Sírio-Libanês que tá beleza. Haja hipocrisia…
  • Como o CFM é contra, eles chamam de “elitistas”. Mas como? O CFM é uma entidade de classe, e estas, assim como os sindicatos, não são estimuladas e adoradas por eles? Não dizem que é preciso criar estruturas para defender as classes? Então por que criticar quando fazem eles se defendem?
  • Se o problema é realmente resolver o problema da saúde, então vamos fazer o seguinte: paga-se R$ 5000 direto para cada médico cubano, e o projeto sai pela metade do preço! Mas aí eles não querem. Só querem se forem escravos que recebem indiretamente… Ou seja: fica claro que não estão minimamente preocupados com o problema da saúde, apenas com o companheiro Fidel.
  • Quem pensa nos cubanos, que perderão 4 mil médicos? Alguém já se perguntou se eles não farão falta lá em Cuba?
  • Por último: alguns estão dizendo que ser contra a vinda de médicos cubanos é “xenofobia”. Não senhores! Não sou contra a vinda de médicos cubanos. Sou contra regras diferentes para médicos cubanos. Se querem vir, que venham, mas fazendo o Revalida e recebendo dinheiro diretamente, como todos os outros. Como escravos não! Sou contra o senhor de engenho Fidel, não contra os cubanos. Xenofóbico é o governo brasileiro, que pagará menos a eles que aos demais médicos; que não dará aos cubanos os mesmos direitos que dá aos demais médicos.

E essas são só as que eu tô me lembrando agora. E vai sempre ser assim, pois a única maneira de defender o indefensável é com inconsistências lógicas. Isso tudo é profundamente imoral, só não vê quem não quer.

Então faça o seguinte: tenha vergonha na cara e assuma logo que quer que o governo brasileiro mande dinheiro para Cuba! É mais digno.

Anúncios

2 comentários sobre “Médicos cubanos

  1. Os médicos brasileiros são melhores do que os cubanos? Você já pegou os dados da OMS? Lá Cuba aparece em 15º lugar enquanto o Brasil em 157º, gastando dez vezes mais dinheiro. E sabe porque? Porque lá eles fazem medicina de base e aqui os médicos fazem medicina de bolso! E ainda encontram eco em coxinhas como você! Vai ver o que os médicos cubanos já estão fazendo no interior do Brasil, pegando as crianças no colo, receitando soro caseiro, conversando e dando amor aos pacientes. Para isso não precisa infraestrutura. Já os excelentes médicos brasileiros nem olham na nossa cara e cobram os olhos da mesma cara por uma consulta aos moldes da indústria farmacêutica. Vai entender o que é medicina de base antes de escrever bobagens!

    • Os médicos brasileiros são melhores do que os cubanos? (e mais um monte de blá-blá-blá que não tem relação com o meu texto)

      E quando foi que disse isso? Em momento nenhum, claro.
      Sim, eu disse que “a alta taxa de reprovação no Revalida faz crer que os médicos cubanos não estão à altura dos médicos brasileiros”, mas isso não é uma afirmação, mas só uma dedução lógica.
      Mas ele não. Ele conhece a verdade, e a verdade está com o governo cubano. Ele acredita em qualquer número que eles apresentem, mesmo que seja impossível verificá-los. Como não há órgão independente para apurar esses números, o governo cubano pode inventar os números que quiser.
      Mas tenho uma solução pra resolver esse caso: se ele realmente acredita que os médicos cubanos são melhores que os nossos, por que não exige que eles façam o Revalida? Assim eles teriam a oportunidade de humilhar os médicos brasileiros, passando com notas altíssimas. Será que ele topa esse desafio? Claro que não!

      E ainda encontram eco em coxinhas como você!

      É o típico alienado esquerdista, pois só consegue “pensar em bloco”. Se eu não concordo 100% com o que ele pensa, virei um inimigo. Ele simplesmente ignora tudo o que eu disse. Eu falei de liberdade, de Revalida, de pagar os médicos diretamente, de direitos trabalhistas, etc., mas ele comenta isso? Claro que não. Afinal, eu sou um inimigo, um “coxinha”.

      Vai ver o que os médicos cubanos já estão fazendo no interior do Brasil, pegando as crianças no colo, receitando soro caseiro, conversando e dando amor aos pacientes. Para isso não precisa infraestrutura.

      Que lindo! Quase chorei. Até vi os pôneis malditos saltitando, com uma música melosa ao fundo.
      No mundo imaginário dele, os médicos não precisam de infraestrutura. Bastam sorrisos e abraços e as crianças ficam milagrosamente curadas. Que meigo, né?
      Será que quando o nosso amigo descobrir que tem câncer (e não estou desejando isso, só fazendo um exercício hipotético) ele vai pedir um abraço para um médico cubano? E depois sair, saltitante, pelas ruas cantarolando, anunciando que está curado?
      Ou será que vai buscar o melhor tratamento possível, indo pro Sírio-Libanês, como nossos governantes, amantes dos pobres (HAHAHAHAH!), fazem?
      A principal obrigação do médico não é “dar amor” não. A obrigação do médico é ser competente para trazer saúde, para curar as doenças dos pacientes. Isso, sim, é fazer bem ao paciente.
      “Pegar no colo, conversar e dar amor” sem resolver a doença é crueldade!

      Já os excelentes médicos brasileiros nem olham na nossa cara e cobram os olhos da mesma cara por uma consulta aos moldes da indústria farmacêutica.

      Agora ele volta para o mundo imaginário dele, onde os médicos (e por que não todos os outros profissionais, hein?) trabalham de graça, por amor aos outros.
      Ah, que lindo. Tô começando a desconfiar que ele é o príncipe do filme “Encantada”. Meu único medo é que o próximo comentário venha cantado.

      Vai entender o que é medicina de base antes de escrever bobagens!

      HAHAHAHAHA! Quase caí da cadeira aqui. Ele diz que as pessoas se curam com beijos, abraços, amor e carinho, e eu é que não sei o que é medicina.
      É um palhaço mesmo…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s