Confusão mental

544391_404874309621984_31870895_n[1]

Esse é um bom exemplo da confusão mental cada vez mais visível no mundo moderno. Aqui juntam-se vários assuntos diferentes em um mesmo balaio e se mistura tudo num “samba do crioulo afrodescendente doido” para daí tirar uma conclusão errada: a de que em Cuba há mais liberdade que nos EUA. É o caso típico do arqueiro infalível, aquele que primeiro atira a flecha e depois pinta o alvo.

Façamos como Jack, o Estripador: vamos por partes…

Ambos falaram mal de seus países…

A coisa já começa mal… Snowden não “falou mal” dos EUA. Ele cometeu um ato ilegal (há controvérsias) para tornar públicos atos que ele considerava inaceitáveis (o monitoramento feito pelo governo americano). Ele não está sendo perseguido por “falar mal” de ninguém. Diariamente milhares de americanos “falam mal” dos EUA, inclusive na TV, e isso não é problema nenhum por lá. Achar que Snowden está sendo condenado porque “falou mal” dos EUA é coisa de lunático, de quem já perdeu totalmente a conexão com a realidade. O lugar de gente assim é o manicômio. Se bem que um exílio forçado em Cuba também não seria ruim…

Adivinha qual deles não poderá voltar para casa hoje?

Aqui começa a mistura de assuntos diferentes: a tentativa é de comparar um cidadão americano que não pode “voltar para casa” por estar fugindo de um processo criminal, com uma cidadã que pode “voltar para casa” mesmo tendo a atitude “ousada” de criticar o governo. É interessante notar como indiretamente o autor da imagem prova justamente o contrário do que queria provar. Afinal, que outro cidadão americano tem medo de voltar para os EUA após fazer uma crítica ao país? Nenhum! Já em Cuba, as coisas são diferentes, ou o exemplo não seria necessário. A própria Yoani afirma que recusaram sua saída por vinte vezes nos últimos cinco anos. Definitivamente, apreço à realidade não é a principal característica de quem fez essa imagem.

Outra diferença importante é o motivo do “não pode”: Snowden pode “voltar para casa” quando quiser, desde que esteja disposto a responder pelo crime que cometeu. Não é uma situação fora do normal, mas algo que acontece com qualquer cidadão que tenha cometido um crime nos EUA. E Snowden não é o único: até Paulo Maluf está nessa lista, e não é por ter “falado mal” dos EUA… Já Yoani também pode voltar para casa quando quiser, desde que esteja disposta a passar novamente pelo tortuoso processo para obter permissão caso deseje sair novamente. A grande maioria dos cubanos prefere não voltar.

Edward Snowden – Obrigado a pedir exílio em alguns países por ter denunciado crime de espionagem cometido pelos EUA (seu país)

Novamente o autor da imagem omite um fato importante (outro círculo pintado em volta da “flechada certeira”): o motivo não foi “por ter denunciado” nada. Repito: milhares de pessoas denunciam o governo dos EUA diariamente, algumas ao vivo, na TV, e nada acontece com elas. O motivo foi que essa tal “denúncia” foi feita com dados sigilosos, o que é ilegal. E o fato de um país querer punir alguém que cometeu um crime não deveria causar nenhum espanto, a não ser em lunáticos que não têm ideia do motivo da existência das leis e da Justiça.

Yoani Sánchez – Viaja o mundo “denunciando” Cuba. Entra e sai de Cuba a vontade.

Aqui já não há esperanças… Não sei se fico com pena ou vontade de rir de um cidadão que diz tamanha idiotice… “Entra e sai de Cuba a vontade” (sic)? Talvez em algum universo paralelo ter seu pedido de sair do país recusado por 20 vezes em 5 anos seja sinônimo de “entrar e sair à vontade”. No nosso, infelizmente (para o autor da imagem) não é.

Ditadura cruel é aquele que você não vê!
Ditadura cruel é aquela que esta ali, te sufocando, disfarçada de democracia.

E o discurso termina com uma verdade. Aliás, esse é um método muito comum, pois ouvindo uma conclusão verdadeira, as pessoas têm a tendência a não perceber as incoerências do resto do discurso. O problema é que essa verdade não tem relação alguma com o caso citado, pois punir crimes é uma característica de qualquer governo sério, não apenas de ditaduras. Talvez o autor da imagem ache que liberdade é cometer os crimes que quiser sem ser punido, não sei.

Só sei que eu fico impressionado em ver como tantas pessoas caem nessas armadilhas baratas. E nem sempre são pessoas ignorantes não! Talvez sejam pessoas tão impressionadas com as flechadas certeiras do arqueiro infalível que se esforçam para não perceber os respingos de tinta na flecha… E a confusão mental em que boa parte da nossa sociedade está fica cada vez mais explícita a cada clique nos botões “curtir” e “compartilhar”…